Divulgação

Apesar da autorização do Governo do Estado de São Paulo para a volta às aulas das escolas de rede pública e privada na próxima terça-feira (08), unidades de ensino do Alto Tietê ainda não tem previsões de retorno.  

As regras para a reabertura das escolas foram publicadas no Diário Oficial desta terça-feira (01). A autorização é voltada para cidades que estão há pelo menos 28 dias na fase amarela do plano de flexibilização econômica, e devem reabrir para a realização de reforço escolar e atividades complementares.  

A decisão, no entanto, será das prefeituras, que terão autonomia para permitir ou vetar a medida. Alguns municípios realizaram consultas públicas com relação ao retorno das aulas, e resultou em boa parte da população ser contra a volta de atividades escolares neste momento.  

O que dizem as prefeituras: 

  • Arujá
    A Prefeitura de Arujá informou que as aulas presenciais nas escolas municipais, estaduais e particulares de Arujá estão suspensas em 2020. O comitê Extraordinário de Combate à Covid-19, da Prefeitura publicou nesta quarta-feira (2), um decreto com a determinação. A Prefeitura alega que a decisão de suspender as aulas presenciais este ano, foi embasada na consulta pública realizada pela Secretaria Municipal de Educação em agosto. O resultado demonstrou que 93% dos pais de alunos são contrários à volta das atividades presenciais nas escolas este ano. 

 

  • Biritiba Mirim
    A Secretaria Municipal de Educação de Biritiba Mirim informou que não há previsão para a retomada das aulas presenciais e ressaltou que segue em tratativas com o Consórcio de Desenvolvimento dos Municípios do Alto Tietê (Condemat) sobre o tema. 

 

  • Ferraz de Vasconcelos
    De acordo com a Secretaria de Educação de Ferraz de Vasconcelos, a questão da volta às aulas presenciais na cidade ainda está sendo analisada, considerando não só a situação epidemiológica do município, mas também a vontade de pais ou responsáveis e alunos.
    A Prefeitura lembra que realizou, no mês passado, uma consulta pública pedindo a opinião dos moradores sobre um possível retorno para este ano. O resultado, assim como outras argumentações, está sendo utilizadas nas discussões.
    A administração municipal conclui que ainda não tem como afirmar se as aulas voltarão ou não neste ano e destaca que, se a decisão tomada for a de volta às aulas, já há um protocolo elaborado, que deverá ser seguido firmemente para evitar o máximo possível o contágio pela Covid-19 nos ambientes escolares. 

 

  • Guararema
    A Prefeitura informou que as escolas da rede municipal de ensino de Guararema prosseguirão com expediente interno, com a presença dos profissionais da educação para atividades de acolhimento, estudo (formação continuada), replanejamento e aulas remotas. Não há previsão de retomada das aulas presenciais para alunos, nem tampouco atividades presenciais envolvendo estudantes.
    Já as escolas da rede privada do município, segundo a administração municipal, devem seguir as diretrizes da Diretoria Regional de Ensino de Jacareí, uma vez que estão subordinadas à Secretaria de Educação do Estado de São Paulo.
    A Secretaria Municipal de Educação de Guararema informa que recebeu notificação da Diretoria de Ensino de Jacareí acerca de previsão de retorno dos alunos às atividades presenciais. O documento se refere à retomada dos convênios de alimentação e transporte escolar, celebrados entre Estado/Município. Não informou a data do retorno.
    Nesse sentido, a cidade completa que ainda não tem informação referente à data de retorno às atividades presenciais (com alunos) nas Escolas Estaduais e, consequentemente da Rede Privada. 

 

  • Itaquaquecetuba
    A Prefeitura de Itaquaquecetuba, por meio da Secretaria de Educação, informa que ainda está em fase de discussão com uma comissão intersetorial para elaboração de protocolos – sanitarista e pedagógico.
    Em relação às escolas particulares, a cidade afirma que a discussão está sendo realizada entre as partes e por enquanto não há definição. A Prefeitura lembra que realizou uma pesquisa de opinião pública com a população e com os profissionais da educação, onde 93% se colocaram contra o retorno das aulas. 

 

  • Mogi das Cruzes
    As aulas presenciais nas redes municipal, estadual e particular de Mogi das Cruzes estão suspensas até 6 de outubro. A decisão foi divulgada pela Prefeitura nesta quarta-feira (2), por meio de um decreto. De acordo com a administração municipal, o município considerou o resultado da pesquisa realizada com os pais da rede municipal de ensino e as que estão em andamento em outras redes, além da avaliação epidemiológica e sanitária da região, seguindo as orientações do Comitê Municipal de Saúde – Covid-19. 

 

  • Poá
    A administração municipal de Poá informou que está em andamento uma consulta pública sobre o retorno das aulas. As direções das escolas já enviaram os questionamentos aos pais e responsáveis.
    Os dados que chegaram às escolas estão sendo enviados à Secretaria de Educação para tabulação e ainda não existe previsão de retorno às aulas. Além da consulta pública também serão levadas em consideração outras questões relacionadas à saúde pública, informou. 

 

  • Salesópolis
    A Prefeitura de Salesópolis foi questionada, mas ainda não respondeu. 

 

  • Santa Isabel
    Em Santa Isabel, as aulas continuam acontecendo de maneira remota com acompanhamento on-line dos professores. A Prefeitura lembra que, nas últimas semanas, foi realizada uma consulta pública que revelou que 93,8% dos pais, responsáveis, funcionários, alunos e comunidade são contra o retorno das aulas presenciais.
    Levando em consideração esse resultado, o município destaca que ainda se encontra em fase de análise, aguardando parecer da Secretaria de Saúde, para que possa ser tomada a melhor decisão quanto ao assunto em questão. 

 

  • Suzano
    A Prefeitura de Suzano destaca que emitiu o decreto municipal 9.509/2020, promulgado na última sexta-feira (28), que suspende as atividades educacionais presenciais nos estabelecimentos de ensino no município até o dia 30 de setembro. O decreto está disponível no site da Prefeitura.
    Ainda de acordo com a administração municipal, a rede municipal de ensino de Suzano deve retomar as aulas presenciais quando houver segurança para alunos, professores e funcionários, com base em dados técnicos fornecidos pelas autoridades de Saúde – a decisão será do município e ainda não há data definida. As atividades não-presenciais em diferentes linguagens e plataformas continuam. 

FONTE: G1

Leave a Reply